Facebook

Jornal do Bairro Alto

O pastor

A figura do pastor de ovelhas é um dos recursos da pedagogia de Jesus extraído da realidade dos seus contemporâneos para confrontar os sacerdotes e mestres de Israel conhecidos pelo amor à riqueza e ao poder.

A criação de ovelhas era um dos suportes da economia judaica, elas são dóceis e obedientes ao manejo, mas, possuem limitado senso de direção, reduzida capacidade de encontrar alimento e são completamente incapazes de enfrentar a agressão de predadores, o que as torna totalmente dependentes do homem.

O pastor de ovelhas adquiria experiência desde a infância cuidando dos animais da família. Davi é referido em 1 Samuel 16.11 como um clássico exemplo dessa condição.

No seu tempo os cercados não existiam e o pasto não era perene, o rebanho precisava ser conduzido para os lugares onde houvesse alimento. A Primavera era a estação mais fértil, o rebanho permanecia perto da casa e se alimentava nos arredores. Nessa época as fêmeas pariam e ocorria a tradicional festa da tosquia. No Verão o pastor levava os animais para lugares mais altos e lá permaneciam em campo aberto. À noite o cuidado era dobrado para defendê-los do ataque dos lobos. Ao meio dia, o pastor tirava água de algum poço com o balde de couro que conduzia para este fim, e as saciava.

No Inverno o rebanho era levado de volta para o abrigo, ou aprisco, da família, onde ficava protegido da chuva e do frio. Uma providência nunca era esquecida, todas as noites as ovelhas eram contadas e o estado de cada uma verificado, não podia faltar nenhuma, Lucas 15.4.

Essa atividade gerava uma relação de grande amizade entre pastor e ovelhas, alguma até conquistava o status de animal de estimação, conforme demonstrou o profeta Natã quando foi repreender a Davi pelo seu pecado, 2 Samuel 12.1-3. O pastor dava nome às ovelhas e elas conheciam sua voz, João 10.3. A parábola do Bom Pastor aplica aos líderes religiosos as imagens do antigo pastoreio de Israel. Jesus estava elegendo novos cuidadores de rebanhos, da maneira como o apóstolo Pedro tão bem descreve em 1 Pedro 5.2-3. A visão revelada pelo Messias é um imenso campo habitado por incontáveis espécies de ovelhas. As obedientes, desviadas, descuidadas, rebeldes, fracas, todas expostas ao ataque dos lobos vorazes, João 10.12, dependentes da extrema dedicação do pastor que as chama pelo nome e as mantém seguras e alimentadas com a palavra e o ensino, 1 Timóteo 5.17, muitas vezes pondo em risco a própria vida, 1 Samuel 17.34-35.
É contundente a sentença divina proferida em Ezequiel 34.2-6 sobre os falsos pastores: “Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Comeis a gordura, vesti-vos da lã e degolais o cevado; mas não apascentais as ovelhas. A fraca não fortalecestes, a doente não curastes, a quebrada não ligastes, a desgarrada não tornastes a trazer e a perdida não buscastes; mas dominais sobre elas com rigor e dureza... as minhas ovelhas andam espalhadas por toda a terra, sem haver quem as procure ou quem as busque”.

(Leia a versão integral em www.facebook.com/religiaoevida)

Rua Antonio Cândido Cavalin, 43 - Sala 01 - Bairro Alto - Curitiba - Paraná

CEP 82820-300 - Fone: 41 3367-5874