Ato de equilíbrio da Turquia entre a Rússia e o Ocidente

As bandeiras da Turquia, OTAN e Rússia (da esquerda para a direita). © Iurii Vlasenko / Shutterstock

Poucos dias antes da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, o comentarista-chefe do diário turco Sabah, Mehmet Barlas, resumiu sua avaliação da situação com a frase: “Se tivéssemos que contar com uma guerra, o presidente Erdogan não teria saído hoje para uma viagem de quatro dias à África.” Ele acrescentou que Recep Tayyip Erdogan, o presidente turco, está em constante contato com o russo Vladimir Putin.


A Bósnia-Herzegovina é a próxima no radar da Rússia?

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO


“Todos os especialistas”, continuou o defensor declarado de Erdogan, concordaram que Washington estava escalando a crise para solidificar seu domínio na Europa Ocidental. Com isso, Barlas também ecoou o clima geral na Turquia. É uma sorte, disse ele, que o presidente da Rússia seja muito mais razoável e mais sábio do que seu colega americano, Joe Biden.

O vínculo entre Erdogan e Putin

Essa imagem positiva da familiaridade de Putin e Erdogan com o líder do Kremlin não é por acaso. Particularmente desde a tentativa fracassada de golpe na Turquia em 2016, Erdogan, com a ajuda de Putin, conseguiu se posicionar independentemente – e às vezes até contra – os Estados Unidos e a Europa em questões-chave de política externa.

Na Síria e no Azerbaijão, Ancara e Moscou conseguiram marginalizar os atores ocidentais. Na Líbia e no Mediterrâneo oriental, a Turquia atua como concorrente ou mesmo adversária dos estados membros da União Europeia.

O flerte da Turquia com Moscou levou a preocupações de que Ancara pudesse se afastar completamente da Europa. Isso contribuiu para a abordagem de luva de pelica da UE à Turquia no Mediterrâneo oriental e em Chipre. Também resultou na reação tardia de Washington à aquisição pela Turquia do sistema de defesa antimísseis S-400 da Rússia com sanções. É verdade que a Turquia tem experiência com Putin como estrategista frio e político de poder implacável em conflitos como o da Síria. Mas Erdogan sempre pareceu conseguir evitar a escalada.

Apesar de toda a tensão de Ancara com Moscou, a reaproximação de Erdogan com a Rússia o aproximou muito mais de seu objetivo de autonomia estratégica para seu país em relação ao Ocidente. A Turquia manobrou habilmente entre as frentes da rivalidade global e foi capaz de expandir consideravelmente seu escopo e influência em apenas alguns anos.

Nesta política de gangorra, no entanto, a Turquia está se comportando de forma muito mais conflituosa com os estados ocidentais do que com a Rússia. Durante anos, a imprensa do governo pintou um quadro positivo da Rússia e negativo dos Estados Unidos e da Europa. Isso não deixa de afetar a opinião pública turca. Cerca de um mês antes de a Rússia atacar a Ucrânia, em uma pesquisa realizada por um renomado instituto de pesquisa de opinião, uma estreita maioria relativa de 39% dos entrevistados era a favor da cooperação em política externa com a Rússia e a China, em vez da Europa e dos Estados Unidos.

Nos primeiros dias após a invasão da Rússia, a política de Ancara seguiu exatamente o padrão mencionado. A Turquia condenou o ataque, mas não está participando de sanções contra a Rússia. Na votação sobre a suspensão dos direitos de representação da Rússia no Conselho da Europa, a Turquia foi o único Estado da OTAN a se abster e, como tal, mantém seu espaço aéreo aberto a aeronaves russas.

O Ocidente está prestando atenção especial a se e como a Turquia implementa o Tratado de Montreux. O tratado de 1936 regula a passagem de navios de guerra pelos estreitos de Dardanelos e Bósforo da Turquia para o Mar Negro. Limita o número, a tonelagem e a duração da estada dos navios de países não litorâneos do Mar Negro. Em caso de guerra, a convenção estipula que as vias navegáveis ​​devem ser fechadas aos navios das partes em conflito e confia a Ancara a aplicação dos regulamentos do tratado

Ancara gira ao redor

A Turquia levou quatro dias para classificar a invasão russa como “guerra”. No entanto, Ancara ainda está relutante em fechar oficialmente as vias navegáveis ​​– como estipula o tratado – para navios das partes no conflito, Rússia e Ucrânia. Em vez disso, Ancara está alertando “todos os países, ribeirinhos do Mar Negro ou não”, contra o envio de navios de guerra pelo estreito.

No sentido literal, este passo não é dirigido unilateralmente contra Moscou, mas também torna mais difícil para os navios da OTAN navegar no Mar Negro. De acordo com o tratado, no entanto, as hidrovias só podem ser fechadas para navios de guerra de todos os países se Ancara se considerar diretamente ameaçada pela guerra. Conscientemente criando ambiguidade, a Turquia triangulou entre o Ocidente e a Rússia.

Quase imperceptivelmente no início, entretanto, uma reversão se instalou. Há quatro razões para isso. Primeiro, o Ocidente está mostrando unidade e determinação nunca vista desde a Guerra Fria, e suas sanções estão minando a posição da Rússia no mundo. Segundo, Putin está perdendo seu carisma como estadista de sucesso e parceiro confiável. Terceiro, Ancara percebe que a visão de Putin de um grande império russo poderia provocar mais guerras. Quarto, as fileiras dos adversários estão se fechando e está se tornando mais difícil para a Turquia continuar sua política de gangorra.

Assim, tons fortemente pró-ocidentais emergiram de Ancara nas últimas semanas. A Turquia continuará apoiando a Ucrânia em consulta com o Ocidente, de acordo com o porta-voz do presidente. O ministro das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, agora afirma ter contrariado os desejos da Rússia para a passagem de navios de guerra pelo Bósforo “com toda a amizade”. O presidente Erdogan também é a favor da admissão da Ucrânia na União Europeia e Kosovo na OTAN.

Além disso, Ancara não contradiz os relatos de diplomatas ucranianos de que a Turquia está fornecendo mais drones armados e treinando pilotos para pilotar drones. Em 2 de março, a Turquia se juntou à grande maioria dos estados na condenação da Assembleia Geral da ONU à invasão russa da Ucrânia, que pediu à Rússia que “retirasse imediata, completa e incondicionalmente todas as suas forças militares”. Dois dias depois, durante a reunião extraordinária dos ministros das Relações Exteriores da OTAN, a Turquia apoiou o envio da Força de Resposta da OTAN aos países da OTAN vizinhos à Ucrânia.

Parece que Putin não está apenas trazendo a unidade há muito perdida para a UE, mas também está lembrando a Turquia dos benefícios de seus laços ocidentais. Os estados ocidentais devem perceber que apenas mais unidade entre si e mais determinação farão a Turquia se reengajar com o Ocidente.

*[This article was originally published by the German Institute for International and Security Affairs (SWP), which advises the German government and Bundestag on all questions relating to foreign and security policy.]

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a política editorial da Fair Observer.