Entendendo o novo amor da Índia pelo petróleo russo

Tanque de petróleo russo. © Fly Of Swallow Studio/Shutterstock

O caso de amor da Índia com a Rússia começou há muito tempo. A Índia conquistou sua independência do Reino Unido em 1947. Jawaharlal Nehru, seu primeiro primeiro-ministro, era um autodeclarado socialista que se inspirou na União Soviética. Nas décadas após a independência, a Índia se desviou cada vez mais para a esquerda. Como resultado, Nova Delhi desenvolveu relações extremamente estreitas com Moscou.

Somente depois de 1991, quando a União Soviética entrou em colapso, os laços de Nova Délhi com Moscou enfraqueceram. Nos últimos anos, a Índia fortaleceu sua relação com os EUA. Ambas as democracias consideram a China uma ameaça comum. Além disso, o investimento americano fluiu para a Índia, enquanto os estudantes indianos migraram para os EUA. Políticos indianos, estrelas de cinema e jogadores de críquete usam plataformas de mídia social americanas, como Twitter e YouTube, para fazer campanha. Portanto, a neutralidade da Índia na invasão russa da Ucrânia causou muita azia em Washington.

A recente visita do ministro das Relações Exteriores S. Jaishankar e do ministro da Defesa Rajnath Singh aos EUA não foi particularmente bem. O secretário de Estado Antony Blinken falou sobre “monitorar alguns desenvolvimentos recentes na Índia, incluindo um aumento nos abusos de direitos humanos por parte de alguns governos, polícia e funcionários prisionais”. O comentário de Blinken é menos sobre abusos de direitos humanos e mais sobre a desaprovação dos EUA à política da Índia para a Ucrânia e sua compra de petróleo russo. Então, por que Nova Délhi está arriscando suas relações com Washington e comprando petróleo russo?

Opção de petróleo barato para combater a inflação

A invasão russa da Ucrânia aumentou os preços globais de alimentos, fertilizantes e petróleo. O preço médio mensal do petróleo Brent em dezembro de 2021 foi de US$ 74,17. Em março de 2022, esse valor havia subido para US$ 117,25. Para um importador de energia como a Índia, isso foi um desastre. A inflação disparou e o Reserve Bank of India cortou as taxas de crescimento projetadas para o país. Como resultado, a oferta russa de petróleo a preço reduzido tornou-se atraente para a Índia.

Dados os altos preços, a Índia não está sozinha na compra de petróleo russo barato. As refinarias húngaras, búlgaras e gregas continuam a comprar petróleo russo, assim como muitas outras. A imprensa indiana informa que Nova Délhi “poderia estar comprando o principal grau dos Urais da Rússia com descontos de até US$ 35 o barril nos preços antes da guerra”. Este é um desconto muito acentuado que compensa as sanções americanas e ocidentais. Com um PIB per capita de apenas US$ 1.927,71 em 2020 e uma crise de desemprego no país, a Índia não pode abrir mão da opção de petróleo barato.

A opção de comprar petróleo russo também é importante por outro motivo. A Índia obtém seu petróleo de muitos países, com a Rússia fornecendo uma pequena fração de suas necessidades energéticas. O Iraque fornece 23% do petróleo da Índia, a Arábia Saudita 18% e os Emirados Árabes Unidos 11%. Em 2022, as exportações dos EUA provavelmente aumentarão e atenderão a 8% das necessidades de petróleo da Índia. Crucialmente, porém, a compra de petróleo russo pela Índia lhe dá mais vantagem contra outros vendedores. Como Jaishankar apontou com razão, o “total de compras da Índia para o mês seria menor do que o que a Europa faz em uma tarde”. Portanto, a fixação dos EUA com as compras de petróleo indiano da Rússia parece míope e equivocada.

Uma história de romance, um casamento de realidades geopolíticas

Como foi dito por muitos especialistas em política externa, a Índia tem compartilhado uma estreita relação estratégica com a Rússia por muitas décadas. Uma vez que a Índia escolheu o socialismo, a então União Soviética negociou preferencialmente com a Índia. Moscou também forneceu e continua a fornecer a maior parte das necessidades de defesa da Índia. Ainda hoje, cerca de 70% do equipamento de defesa da Índia vem da Rússia. Talvez ainda mais importante, Moscou compartilhou tecnologia nuclear, de mísseis e espacial com Nova Délhi, permitindo que a Índia emerja como uma grande potência.

Em 1971, a União Soviética e a Índia assinaram um importante tratado. Mais tarde naquele ano, Moscou apoiou Nova Délhi, enquanto Washington apoiou Islamabad. A Índia era uma democracia que relutantemente foi à guerra para libertar Bangladesh. No período que antecedeu o conflito, a ditadura militar do Paquistão estava conduzindo o genocídio e usando o estupro como arma de guerra contra os pobres bengalis no que era então conhecido como Paquistão Oriental. A Rússia tem consistentemente apoiado a Índia na Caxemira. Em contraste, os EUA têm repreendido regularmente a Índia por abusos dos direitos humanos na Caxemira e assumido uma postura pró-Paquistão.

Mesmo que os laços com os EUA tenham melhorado, as relações com a Rússia continuaram importantes. Em 2021, o presidente russo Vladimir Putin voou para Nova Délhi para se encontrar com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi. Após a visita, o diplomata indiano aposentado Ashok Sajjanhar concluiu que a breve viagem de Putin à Índia “revigorou uma parceria testada pelo tempo”. Ambos os países assinaram muitos acordos, dando atenção considerável às relações comerciais e de investimento. Áreas tradicionais como energia nuclear, espaço e defesa também receberam atenção. Aqui, nas palavras de Sajjanhar, “a decisão mais importante foi iniciar a fabricação de mais de 700.000 fuzis de assalto AK-203 com transferência de tecnologia sob o programa ‘Make in India’”.

A Rússia também está ajudando a Índia a indigenizar sua produção de defesa de tanques T-90 e aeronaves Su-30-MKI. A Rússia também fornece peças sobressalentes e ajuda a atualizar aeronaves MiG-29-K, Kamov-31, helicópteros Mi-17, aeronaves MiG-29 e lançadores de foguetes múltiplos BM-30 Smerch. Apesar de uma guerra em curso com a Ucrânia e sanções severas, a Rússia está entregando o segundo regimento de sistemas de defesa antimísseis S400 para a Índia.

A Índia está em uma vizinhança difícil com dois vizinhos com armas nucleares. Tanto o Paquistão quanto a China reivindicam território indiano. O espectro de uma guerra em duas frentes é real para a Índia. Portanto, as boas relações com a Rússia, seu maior fornecedor de equipamentos e tecnologia de defesa, são extremamente importantes. Esta é uma das principais razões para Nova Délhi aceitar a oferta de petróleo barato de Moscou.

Como uma nação independente e uma potência global em ascensão, a Índia deve agir em seu interesse estratégico. No momento, isso é melhor servido comprando petróleo russo barato.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a política editorial da Fair Observer.